Destralhando um guarda-roupa infantil: como eu faço para manter apenas o essencial

Inspiração para guardar as roupinhas de uma maneira diferente. Assim, elas participam da decoração do ambiente! Não é uma fofura? <3

pinterest

Crianças crescem muito rapidamente. Em um momento todas as roupinhas com etiqueta RN estão largas, e num piscar de olhos, você já precisa fazer uma reposição de roupas. Se pretende ter mais filhos é provável que queira guardar algumas das roupas em bom estado. De qualquer forma é bom tirar essas roupas de circulação. Guardá-las em caixas, para não causar confusão. Dessa forma terá uma ideia da quantidade de peças que restou para a criança atual, assim terá uma noção da quantidade de roupas que precisará repor.

Por experiência própria, a cada reposição, eu me sinto mais expert em organizar as gavetas da cômoda do meu filho. Fico atenta para não preencher todos os espaços vagos, e  quando as gavetas parecerem cheias demais eu sei que é hora de fazer um destralhe. Algumas mães podem achar bom ter roupas extras para “o caso de”. Porque talvez chova hoje, ou talvez a criança precise trocar de roupa 3 vezes ao dia porque insiste em brincar na lama. Mas precisamos ser realistas, há um número que mesmo nesses dias agitados, não é possível ultrapassar. Por mais bagunceira que a criança seja, se você lava as roupas mais do que uma vez por semana porque precisaria, por exemplo, de 20 blusas de manga curta? E será que ela realmente usa todas as blusas que têm (regatas, blusas de manga curta e manga comprida), ou as peças no fundo da gaveta estão sendo esquecidas?

De meses em meses eu dou uma boa olhada nas duas gavetas de roupas do meu filho e é dessa forma que decido o que manter, o que doar/vender, e o que jogar fora:

41459299_2849598925318636_8028912142591721472_n

foto: out/2018. Da esquerda para direita: regatas, manga curta e comprida, shorts.

1. Separo por categorias:

Tiro todas as roupas da gaveta e junto às pecas da mesma categoria em pequenas pilhas. Assim dá para ter uma noção do que tem de mais e o que está faltando.

2. Está em bom estado? Dá para consertar?

Eu não gosto de vestir roupas rasgadas, furadas, manchadas, então porque meu filho gostaria? Não acho que ele se importe de todo jeito. Poucas foram as roupas manchadas que um balde com água e sabão não conseguiram salvar. Se aparece um furinho na roupa e dá para consertar, eu costuro. Se não tem jeito de tirar uma mancha, eu mantenho como “roupa de ficar em casa” até não caber mais, mas se eu vejo que ele pode se virar bem sem aquela peça específica eu simplesmente desapego.

3. Ainda cabe?

Por motivos de: crescer rápido demais, eu sempre compro roupas que ele poderá usar por mais de um ano. Assim eu não preciso comprar roupas com tanta frequência. Na verdade nem lembro qual foi a última peça que comprei. De qualquer forma, minha mãe sempre compra roupa para ele, e imagino que todas serão usadas por bem mais que um ano.

4. É confortável?

Para mim conforto é muito mais importante que beleza. Então eu despenso roupas com tecidos duros e com nenhuma elasticidade. Já comprei peças apenas por serem bonitas pela internet ou para certa ocasião, e por não serem muito confortáveis foram usadas pouquíssimas vezes, ou nunca.

E como diz Nathalia Arcuri: Roupa parada no armário, é dinheiro jogado no lixo.

Então tenho dado mais valor ao meu dinheiro e preferido as peças 100% algodão.

5. Doar/Vender ou jogar no lixo?

Exemplos:

As roupas em bom estado mas que talvez tenham pequenos defeitos podem ser doadas. Doadas para um conhecido, para um desconhecido em um grupo de desapego ou em uma instituição de caridade.

As roupas em ótimo estado que não cabem ou não são confortáveis podem ser doadas ou vendidas. Vendidas em grupos de desapego, brechós ou sites na internet como OLX e enjoei. Eu tenho usado bastante a ferramenta marketplace do Facebook, para ganhar uma graninha com os desapegos do meu filho (incluindo sapatos e outros itens de enxoval do bebê que não uso mais).

E as roupas que não tem jeito em tese iriam para o lixo. Mas isso nunca aconteceu, pois sempre arrumei um jeito rs.

6. Agora é só guardar o que restou e apreciar os espaços de sobra!

De vez em quando eu tenho uma falsa impressão de que agora ele não vai ter quase nada para vestir. As vezes isso acontece porque realmente ele cresceu bastante nesse ultimo ano, em outras vezes é só por costume de ver a gaveta quase sempre cheia.

Se realmente preciso repor alguma peça, anoto em uma lista para comprar quando surgir uma promoção no site da Renner ou Riachuello (essas são as fast-fashion que eu mais compro roupas, acho que tem um ótimo custo x beneficio, já que a maioria das peças que ele tem são usadas por volta de uns 2 anos seguidos). E pronto.

Destralhe concluído com sucesso!

– Mallu

4 dicas para manter o guarda-roupas sempre arrumadinho

Cabides iguais

1759531d41515a0ffa65796e8dd63372

Ter um cabide padrão facilita muitíssimo na hora de procurar o que vestir. A intenção é poder enxergar todas as peças em uma só olhada. Com cabides diferentes, principalmente se for um de cada cor, nós acabamos ficando um pouco confusos em um primeiro momento, devido ao excesso de informação.

Os meus cabides, por exemplo, são todos de acrílico transparente. Por mais colorido que seu guarda roupas seja, ter um cabide padrão faz com que sua atenção seja direcionada apenas para as peças de roupas. Além de deixar o  visual do guarda-roupas bem clean.

Separar por cores

87815ef5e2cd28b0b9552207606ad50c

Funciona melhor para quem assim como eu, acorda querendo vestir “preto”. Para quem prefere selecionar por modelos de roupa, ficaria mais fácil separar por sub categorias. Ex: regatas, manga curta, manga longa. Como a maioria das minhas blusas são de manga curta, separar por cores facilita demais. E claro, fica bem bonitinho esteticamente.

Padronizar uma dobra

Sem título.png

 

13

Eu gosto de empilhar todas as minhas roupas (exceto casacos, que ficam pendurados). Dobro conforme o tecido permite, mas uso a mesma técnica para todas as categorias.

Tirou, guardou

14592112_230067500768309_2522926105350897664_n (1)

Antes de sair para algum lugar, eu tinha a mania de tirar várias roupas da gaveta para experimentar. E aí quando escolhia alguma, batia aquela preguiça de dobrar todas as outras para guardar. E eu te digo uma coisa: Se a gente não guarda na hora (pera, vamos dar um prazo de até o fim da noite) as chances da nossa gaveta, prateleira, cabideiro, virar uma zona de bagunça interminável são grandes. Por isso sempre que tirar algo do lugar e decidir não usar, devolva a peça ao seu devido lugar! Sem falar que é bem melhor guardar tudo antes de sair, do que ter que arrumar tudo quando chegar. A preguiça pode bater forte, principalmente se a bagunça for grande. Então sempre que eu tiro algo, eu tenho o dever de devolvê-lo ao seu lugar até o fim da noite, mas costumo arrumar tudo antes de sair, para evitar que a preguiça me pegue de jeito na volta.

Essas são as 4 principais formas que eu encontrei para manter o meu guarda-roupas sempre arrumadinho. E você, tem alguma outra dica infalível? Compartilha comigo!

Beijos, Mallu

26. Simplifique sua lista de tarefas

d7c497b45f5d24bb7807fbd4cd84f1d2

Se você já fez seu despejo do cérebro, com certeza já tirou bastante coisa da mente e passou para o papel, ou até mesmo simplesmente deixou de pensar em coisas que não importam.

Escolha uma ferramenta

Seja um aplicativo de celular, agenda digital ou física, escolha onde você anotará as coisas que você tem que fazer. Fica muito mais fácil lembrar de fazer algo quando conseguimos visualizar a tarefa.

Comece o mais rápido possível

Comece por aquelas tarefas que podem ser feitas em menos de 2 minutos. Bem rapidinhas mesmo, como lavar sua blusa nova ou guardar todos os brinquedos do bebê em uma caixa. Esse tipo de tarefa rápida, normalmente é diária, e não adianta ficar delegando, porque cedo ou tarde seremos obrigadas a cumpri-las.

Sei que algumas tarefas tem mais que uma etapa para a conclusão, outras tem um prazo,  então precisam ser adiadas ou antecipadas conforme sua necessidade.

Anote uma coisa importante que você precisa fazer.

Deve ser algo que vai realmente adicionar à sua vida, como algo que o aproximará de seus objetivos.

Concentre-se em fazer uma coisa de cada vez.

Em seguida, avance para o próximo item. O truque é concentrar-se no mais importante, o que vai lhe trazer valor mais importante em primeiro lugar no dia. Em seguida, veja o resto.

 

16. Encontre um lugar para tudo

c9fc810bdf26671a3556eb568a549c82

Encontrar um local para cada item que você possui é a melhor maneira de manter seu lar organizado.

Aqui vão algumas dicas:

  • Armazene as coisas em locais de fácil acesso. De modo que seja fácil obter quando você precisar, e que possa guardá-lo com a mesma facilidade.
  • Armazene itens semelhantes no mesmo lugar. Itens de papelaria com itens de papelaria. Blusas com blusas. Talheres com talheres. Dessa forma quando você precisar de algo fica muito mais fácil encontrar um item específico.
  • Armazene verticalmente. Essa dica vem do método KonMari. Armazene tudo verticalmente onde puder. A maioria das coisas ocupam menos espaço dessa forma.
  • Não fique louca com sistemas de armazenamento. Não compre caixas organizadoras. Ou, não exagere. Normalmente quando decidimos organizar algo, pensamos logo nas mil caixinhas com mil utilidades e formas diferentes. Mas quanto mais simples, mais prático. Nós podemos nos virar com o que já temos. Sem falar que muitas vezes compramos algo com o intuito de ajudar na organização, e aquilo acaba se tornando apenas mais um “trambolho” em casa.

Como organizo meu guarda-roupas

img_20170117_180726_175

Imagem: meu guarda-roupas

Eu sempre gostei de organizar meu armário. Quando eu era mais nova, algumas vezes ao ano eu e minha mãe tirávamos todas as nossas roupas do armário, jogávamos em cima da cama, e escolhíamos quais peça ficavam e quais saíam. As peças que não queríamos eram doadas para a igreja em que a tia da minha mãe frequenta.

Desde então tenho feito da organização um hobby, e não um trabalho que “tem que” ser feito. Porque eu gosto de deixar as coisas arrumadas. Gosto de dar um lugar certo para cada objeto habitar. Desse jeito fica muito mais fácil encontrá-los, e dificilmente eu perco algo de vista.

Uma das coisas que pegamos e usamos mais vezes são nossas roupas, por isso nossos guarda-roupas podem ficar bagunçados com mais frequência. Eu tinha a mania de empilhar as roupas, blusa em cima de blusa. Além de não dar uma boa visibilidade, era difícil tirar a peça que eu queria sem bagunçar outra. Depois de ler o livro “A mágica da arrumação”, comecei a enfileirar todas as minhas roupas.

IMG_20170117_105650132.jpg

Imagem: gaveta de blusas

Antes eu separava minhas roupas de “sair” das de “ficar em casa”. Com isso acabava ficando muito tempo sem usar determinada peça, pois não saía (para festas) com muita frequência. Agora separo por tipo, como blusas, shorts, calças, e vestidos. Ficou mais organizado, cada tipo de roupa ganhou seu próprio cantinho, e consigo usar todas as roupas que tenho muito mais vezes.

970b3099e860c576159c470d70b476df

Método básico de como dobrar roupas. Ilustração retirada do livro Sparkle Joy, Marie Kondo.

No final do ano passado fiz uma super limpa no guarda roupa. Percebi que muitas roupas estavam ali apenas enfeitando a gaveta, e outras nem faziam mais meu estilo. As peças em bom estado foram doadas, já as manchadas ou com algum defeito foram para o lixo mesmo. Nunca doe ou presenteie alguém com algo que não gostaria de receber.

Este ano estou refazendo meu armário, e apenas comprando o necessário.

 

Destralhando devagar, e sempre

a23bde575e4e9f82934b5581843ad065.jpg

Imagem: Uol

Apesar de ter me adaptado facilmente ao método KonMari, não concordo com todas as regras, assim como não segui a risca tudo que o livro indicava. É claro que o destralhe em apenas um dia é mais eficiente, porém, é cansativo. Meu destralhe é continuo. Organizar apenas meu quarto foi fácil, mas não seria a mesma coisa se eu tivesse uma casa inteira para organizar. Acho que todo método deve ser adaptável para o tipo de estilo de vida que a pessoa leva. Nem todos podem tirar um dia inteiro para organizar a casa. Aliás, não é só a casa que organizamos com o método. A alma parece mais leve.

Normalmente a gente acha que uma casa grande, por exemplo, exigiria mais tempo e trabalho para fazer uma limpeza completa, do que em uma casa menor. Mas tudo depende do estilo de vida que essas pessoas levam. Grandes casas com moradores minimalistas são mais fáceis de serem limpas do que pequenas casas com moradores acumuladores. Pois quanto menos objetos se têm, menos poeira se acumula. E consequentemente menos tempo se leva para deixar tudo OK.
De tempo em tempo devemos repensar sobre nossos bens materiais, se eles são úteis ou estão servindo apenas como enfeites.
Ainda tenho algumas coisas no baú da cama. O berço desmontado (óbvio) ocupa a maior parte. Tem uns livros que eu decidi manter, uma manta de casal para o inverno, e uma mala com umas coisas, e de vez em quando eu dou uma olhada para ver se aquilo ainda é útil para mim. Muitas coisas que acumulei ao longo do tempo estavam ocupando espaço sem serventia alguma. Então desapeguei.
Apesar do destralhe radical da Marie ter sido bem divertido para mim, com o tempo todos voltamos a acumular coisas que compramos ou ganhamos de alguém. Por isso o que tem servido para mim é destralhar aos poucos, devagar e sempre. Sempre revisando meus pertences, para saber se aquilo ainda me traz alegria.

Grandes malas comportam grandes bagagens. Mas a verdade é que nem todos os vazios precisam ser preenchidos.